Relato de parto da Julia

E um dia a menstruação atrasa e você pensa: será? A cabeça não quer acreditar, o corpo avisa e o coração já sabe: grávida! 

E para realizar o sonho de ter um filho a gente planeja os mínimos detalhes: compra tudo que é preciso para receber aqueles serzinho indefeso, muda de casa para ter mais espaço, escolhe o obstetra, o local do parto e enfim, chega o grande dia! 

Tive um sangramento pela manhã do dia 18 e minha obstetra me encaminhou para o Hospital Santa Joana escolhido por nós por uma razão: era o mais conhecido que meu convênio cobria e o bebê ficava com q mãe e o pai o tempo todo no quarto. 

Chegando lá, mesmo falando sobre o sangramento esperamos das 17 até às 21h por atendimento! Estavam lotados e desorganizados, mas depois de o cardiotoco (exame que mede a frequência cardíaca do bebê) apontar 190 batimentos por minuto, a Doutora Carla Gimenes intervir, finalmente fui internada para uma cesária de emergência! 

A Julia estava em perigo pois o descolamento de placenta do início da gestação havia voltado! 

Hospital lotado, fomos informados que não haviam mais quartos disponíveis para mim, minha filha e meu marido após o parto! Me desesperei, mas me garantiram que eu ficaria com ela e com ele numa sala de recuperação após o parto, até vagar o quarto! 

Diante do perigo, aceitei a solução e fomos pra sala de pré parto! Minha médica chegou ao hospital às 21h30 e esperamos por uma sala até a 1h da manhã! 

Minha médica e sua auxiliar foram de uma paciência e de um amor comigo durante o parto, a doutora Carla até deixou minha amiga de infância, a Inês, instrumentar o parto! 

  
Porém a parte bonita acaba aqui pessoal! O que relato abaixo é duro e cruel! 

A Julia nasceu a 1h19 e a neonatologista de plantão me trouxe ela rapidamente para ver e já levou para os familiares verem no vidro e para os procedimentos de pesagem e aquecimento! Não tive tempo de tocar minha filha direito, queria abraçar, colocá-la junto ao peito, amamentar mas nada disso pode ser feito e antes dela ir embora com a pediatra eu deixei claro: NÃO QUERO QUE DEÊM A FÓRMULA INFANTIL! A resposta foi: Sim, claro! 

Mas DERAM

Eu fui pra tal sala de recuperação pelas mãos de uma enfermeira mal humorada chamada Edna! Me puxou da mesa de cirurgia para a maca com brutalidade e eu zonza perguntei: Edna você tem filhos? Numa tentativa de lembra-lá que poderia ser ela ali, no meu lugar! 

Me deixaram lá, grogue e nada de ver meu marido e minha filha. Acordava e dormia e não entendia porque a Julia e o Edney não estavam no meu campo de visão! 

Lá pelas 3 da madrugada o meu marido pediu encarecidamente e deixaram ele me ver! E ali começava o pesadelo! A Julia estava num berçário isolado, ele não podia nem ver ela pelo vidro, nem ficar ao meu lado! 

Chorei de raiva, de tristeza, de decepção! Estavam estragando o melhor momento da minha vida porque o hospital não tinha um plano de contingência para dias lotados X emergências? Porque fazem daquilo uma “linha de produção” de bebês e atendem mais convênios do que têm capacidade? 

Eu paguei o pato! Escolhi o local justamente porque o bebe fica com a mãe no quarto poxa! E isso me foi tirado! 

Tristeza e angústia a noite toda pensando que minha bebê estava separada de mim, sem o pai e sendo feito sei lá quais procedimentos desnecessários e não acordados comigo! 

Só que não acabou a parte ruim ainda! Quando perguntei para enfermeira quando trariam minha filha ela disse: às 9h da manhã! Minha preocupação era cabível, como ela ficaria todo esse tempo sem mamar? Sem a mãe que até então era a única referência de aconchego que ela conhecia? 

Ainda sob efeito da anestesia não tive forças para brigar e rezei para que ela fosse amaparada por Deus naquele momento, que não se sentisse abandonada, que dormisse enquanto não chegasse a hora de nos encontramos de novo! Impotência, foi o que senti! 

Quando deu 9h a enfermeira veio dizer que “por um problema de logística do berçário elas não trariam o bebê para mim” eu só encontraria a Julia no quarto ao meio dia ou quando vagasse! 

Ai eu virei uma leoa! Já acordada do transe anestésico eu gritei e perguntei onde estava a humanidade daquele hospital, em deixar uma recem nascida separada de sua mãe tantas horas!? 

Tanto fiz que me trouxeram a Julia “só um pouquinho” palavras da enfermeira! 

Abracei meu marido e minha filha nesse momento e chorei! Não queria mais me separar deles mas de novo a violência! Edney teve que sair e a Julia foi embora! Nunca senti tamanha tristeza…

Um momento que era para ser lindo, mágico e inesquecível se tornou um pesadelo! 

Quase 13h fui para o quarto que vagou com meu marido mas a Julia só foi chegar depois de uns 40 minutos e muitos pedidos para enfermagem! 

Sim 12horas separadas da nossa filha após o parto. Descaso, mentira e falta de humanidade. 

Não preciso dizer que detesto aquele hospital com todas as forças e sinto arrepio se alguém me fala que vai ter seu bebê lá né? 

Escrevendo esse relato chorei e choro ao me lembrar porque só se nasce uma vez gente, só se dá à luz ao primeiro filho uma vez e minha primeira vez foi dura e cruel por causa do hospital e sua desorganização! 

O curioso? Eu sempre ouvi falar bem de lá, tenho amigas que tiveram boas experiências nessa maternidade mas acredito que de uns tempos pra cá o excesso de convênios atendidos mais a fama do lugar deixaram eles nessas condições que relatei! Junto comigo mais 8 mamães passaram por isso!

Eu sonhei tanto com procedimentos menos invasivos, escolhi a obstetra mais querida e humana, mas errei na escolha do hospital! 

Por isso aqui fica meu alerta: cuidado na hora de decidir a instituição que irá ter seu bebê! Esse momento único não volta

Três dias depois um dos diretores do hospital passaram pelo quarto para saber se tivemos algum problema e meu marido relatou cada detalhe do descontentamento! 

Enfim, resolvi contar nesse relato tudo o que houve porque alguma coisa precisa ser feita em relação ao modo de nascer no Brasil! Eu farei minha parte não me omitindo! 😦

Um beijo,

MamãeUp

Anúncios

Dicas para um pós parto mais feliz!

Hoje vamos falar sobre o pós parto e as coisas que descobri sozinha no perrengue(e na delícia) que é voltar para casa e ter que virar mamãe, se cuidar e amamentar! 

Você pode estar pensando: ah será que um momento tão lindo pode ser tão difícil? Eu te digo: sim! Romantismo a parte, pode ser difícil para as marinheiras de primeira viagem! 

Eu cheguei da maternidade com uma anemia proveniente da perda de sangue no parto por isso o cansaço e o desespero tomaram conta quando eu comecei a dar de mamar em livre demanda! 

Não tinha forças para ficar sentada, comer sozinha ou para cuidar da Julia! As tarefas mínimas como tomar um banho eram um fardo pesado! 

Então aí vai a primeira dica: 

Converse com seu ginecologista, antes do parto, para fazer um hemograma e se for necessário, já comece a reposição de ferro antes do bebê chegar! 

E vou além, se sua ferritina estiver baixa já na gestação combine com seu médico reiniciar a reposição logo na maternidade! A sensação da anemia forte é uma simulação de quase morte, sério gente, sem exagero é horrível! 

Segunda dica

Compre sutiãs de amamentação confortáveis, no minimo umas 8 unidades! E tome banho de sutiã! 

Descobri isso num dia que estava com as mamas tão doloridas da amamentação + o leite descendo e resolvi dar essa dicas porque você irá precisar lavar o sutiã todos os dias (fica com cheirinho de leite desagradável) então já tome banho com ele porque a sustenção durante o banho diminue a dor e ajuda na diminuição do atrito causada pela água caindo no seio sensível! 

Ainda falando dos seios, não deixe a água do chuveiro cair diretamente na mama, procure protegê-las com suas costas! Principalmente se você gosta de banhos mais quentes, corre-se o risco do leite empedrar!

Terceira dica

Se o seu leite já veio e as mamas ficarem endurecidas pela quantidade, faça compressas com água fria, alivia muito! 

A ordenha manual também é importante para a pega correta do bebê. 

Ainda sobre os seios, trate a cada mamada com pomada de lanolina, deixe protegido com absorventes de seio e se possível deite-se entre uma mamada e outra sem sutiã, de barriga pra cima e deixe seu seio “respirar” sem estar coberto!

Quarta dica

Tome sol nos bicos dos seios, de manhã.Meia hora já é suficiente! Faz milagres na cicatrizarão de fissuras e ferimentos!

Eu não acreditava que o sol era tão bom para os seios, achava meio crendice, mas leve essa dica em consideração viu? Ela é realmente válida! 

Quinta dica

Você VAI PRECISAR DE TODA AJUDA POSSÍVEL  nos primeiros 20 dias! Conte com sua mãe, madrinha, sogra ou irmãs/ cunhadas e amigas que oferecerem ajuda e que você tenha intimidade. 

Aliás ter intimidade é indispensável, porque no começo da amamentação por exemplo você vai precisar deixar o seios de fora por várias horas por dia e se tiver vergonha da pessoa que for te ajudar dificulta tudo! 

Aceite que você passou por um parto, que não precisa ser super mulher, bem como não precisa provar pra ninguém que você é a mãe do ano! 

Acredite em mim que me esforcei nos primeiros dias: tudo tem uma consequência! Não se esforce! 

Sexta dica 

Durma entre as mamadas! Minha cunhada tem bebê pequeno, me disse isso desde o começo e eu tentei seguir ao máximo, sempre que consegui o bem estar é incrível! 

Você já não vai dormir direito à noite pois o bebê precisa mamar no mínimo de 3 em 3 horas, por causa da glicemia e do ganho de peso, se não descansar entre as mamadas não vai ficar bem de saúde, nem de humor! 

Acredite: seu corpo precisa de descanso e tranquilidade para se recuperar do parto e amamentar! 

Sétima dica

Seu marido pode ajudar e muito se VOCÊ DEIXAR! Sim, muitas mamães na ânsia de cuidar e aprender nos primeiros dias não incluem o papai nas tarefas e ele precisa e quer fazer parte disso! 

Você também precisa dessa ajuda! Aqui em casa o papai Up se encarregou de fazer a Julia arrotar depois das mamadas e nanar! Enquanto isso você vai cuidar dos sei0s, tomar líquidos, se alimentar e DESCANSAR! 

Porque não há leite que resista a stress e cansaço excessivos! 

A saúde também agradece!

Oitava dica

Como tudo na vida, nessa fase se você abusar o corpo pede a “conta”! Tive síndrome da mulher maravilha quando cheguei da maternidade e foi tiro e queda: minha pressão que foi normal na gestação subiu e sobe agora toda vez que fico muito cansada! 

Sensação ruim demais e é bem comum acontecer no pós parto mesmo que você nunca tenha sido hipertensa! O stress, pouco sono e cansaço contribuem para isso, então se preserve! 

Alimentação o mais natural possível, variada e muita água! Se possível for, chamar uma massagista em casa para drenagem linfática, pois o pós parto quase sempre é sinônimo de muita retenção de líquidos e está leva também à hipertensão. 

Nona dica

Converse com amigas e familiares que tiveram bebê a pouco tempo! As descobertas são muitas e você sempre pode colher informações importantes e novas com essas pessoas! Mas siga seus instintos e observe seu bebê! 

Anote suas dúvidas mais frequentes para conversar principalmente com o pediatra sobre elas nas consultas de rotina. 

Décima dica

Dieta saudável para evitar cólicas no bebê não é frescura, é comprovado que se você evita comer algumas coisas no princípio da amamentação e mantém isso religiosamente por pelo menos três meses, o bebê não terá ou terá menos cólicas ou alergias alimentares então que mal pode fazer não comer aquele chocolate ou fritura? 

Nenhum! Além do mais você só tem a ganhar em saúde com isso. 

Consulte uma nutricionista já no 7 mês de gestação e programe sua alimentação para o pós parto!  

Décima primeira 

Você irá precisar comprar algumas roupas na gestação, invista em blusas e vestidos que deem pra amamentar depois, com botões na frente! Ninguém te fala isso, mas depois na hora de sair com o bebê facilita muito e evita de você gastar dinheiro com mais roupas que depois que voltar ao seu peso não servirão mais! 

Décima segunda dica 

Curta muito seu bebê! Esse novo amor, forte e verdadeiro irá lhe dar força e muita alegria! Beije os pezinhos, cheire, abrace, troque carinho, olhe o corpinho enquanto troca, veja que obra prima você e seu parceiro construíram e agradeça! A Deus ou ao universo/vida, dependendo do que você crê, por esse milagre que se chama filho! 
  

Um beijo,

MamãeUp 

Mamãe Up e o emagrecimento pós parto

Hoje vou compartilhar um pouco da minha história e objetivos pro futuro como mulher/mãe! 

Sempre tive que fazer dieta pra manter meus sofridos e amados 65 quilos, pois tenho uma tendência maledeta: engordar! Pra ajudar nasci numa família de italianos e amo comer! 

Bom pulando a parte da adolescência que tive uma perda irreparável (um irmão falecido, outro dia falamos disso!) e cheguei aos 80 quilos, vamos para antes da gravidez!

Casei com meus lindos 65 quilos e viajei de lua de mel pra Europa! Comi, bebi e não rezei, Rs só pequei! Não pera, tava casada, rs voltando: engordei 5 quilos em 20 dias de hedonismos pelo lindo continente! Resultado? Quando engravidei em maio estava numa rotina saudável mas com 70 quilos e tive vários problemas ao longo da gestação como: descolamento de placenta que já contei pra vocês em posts anteriores e pré diabetes gestacional que contribuíram para um ganho extra de peso!

Agora façamos o exercício mental matemático: Somando hormônios, pré diabetes gestacional à minha fome AND ansiedade, com o plus de não poder me exercitar devido ao descolamento: terminei a gestação com 98 quilos! 😱

Sim! 28 quilos no total e agora é hora de começar a pensar em como fazer para voltar aos 65 quilos, confortáveis e saudáveis porque aqui não estamos falando só de estética, também de saúde! Sem neuras, nem correrias!

  
Na foto a esquerda no final da gestação com 98 quilos recorde máximo de peso  de toda minha vida! À direita 23 dias após o parto com 88 quilos 😀

O que planejo agora? Um programa de exercícios está sendo preparado pelo meu irmão e personal Gabriel (Gabriel Conca Personal -fanpage) para início dia 19/3 quando a obstetra liberará os exercícios físicos! Estou seguindo uma dieta sem restrição de quantidades mas com qualidade! Sem glúten ou lactose ou mesmo traços de proteína de vaca para evitar cólicas e alergias na Julia, prescrita pela minha nutri/ cunhada- titia da Julia Edvania da Estima Nutrição

  
Graças a Deus não tenho nenhuma exigência de tempo ou cobrança de ninguém é mesmo uma preocupação de mim, comigo para ser saudável e ativa para minha Julinha e minha família/ trabalho no futuro! 

  
Afinal essa lindeza merece toda minha energia pra brincar e pular, daqui a pouquinho já né? O tempo passa tão rápido! 

Porque compartilhei? Para ajudar as mamães e gravidinhas que estão preocupadas com isso! Vamos juntas, seja na dieta da gravidez, seja no pós parto?

Vou contando tudo pra vocês! 

Um beijo,

Mamãe Up

Exercício no pós parto

 
Muitas dúvidas rondam a volta à rotina saudável depois do parto, por isso conversei com a educadora física Cristiane Fantini que me explicou mais o assunto e compartilho com vocês: 

1- Qual o tempo médio para volta ao exercício físico depois do parto?

Para o retorno da atividade física em primeiro lugar recomenda-se a liberação médica que normalmente gira em torno de 4 a 8 semanas dependendo se o parto for normal no qual a recuperação é mais rápida ou cesariana e também da recuperação da mãe que é diferente em cada caso. O médico irá avaliar e o professor orientar o melhor tipo de treino. 

2- Qual tipo de exercício você indicaria na hora de recomeçar os treinos para mulheres que não podem ter um personal na orientação? 

Para mulheres sem personal a melhor maneira de começar são com exercícios leves à moderados como: caminhadas, trotes, além de alongamentos. Todos eles com intensidade de leve à moderada, de 20 a 30 minutos, 3x na semana. Há outras modalidades muito importantes que vão auxiliar na volta à boa forma, mas que requer acompanhamento de um profissional habilitado de educação física, mesmo que seja na academia, são elas: musculação leve, Yoga, pilates, localizada sem carga e exercícios para fortalecimento do Core (abdômen e lombar).

3- O exercício físico libera ácido lático, ele pode interferir no gosto ou produção do leite materno? 

Sim, dependendo da intensidade dos treinos pode interferir de maneira a fazer com que a criança queira o desmame pelo sabor do leite azedo e também a mãe corre o risco de secar o leite. Mas tudo isso vai depender de uma série de fatores na hora de se exercitar. A atividade física neste período deve ser moderada, intensidade cardíaca moderada (segundo a sociedade brasileira de medicina esportiva 55 à 75% da máxima onde corresponde à um trabalho mais aeróbico) mesmo porque neste período a queima calórica é muito grande 700 calorias por dia nas mamadas e a produção de ácido latico pode aumentar e liberar no leite, mas isso se o treino for muito intenso. É recomendada todas as atividades que citei acima, mas com tempo, intensidade e volume leve à moderado. O ácido latico costuma ser eliminado muito rápido do organismo, cerca de 30 à 60 minutos pós treino. Deve-se amamentar o bebê antes de ir à academia e no pós espera-se um tempinho.  As atividades aeróbicas leves ou mesmo os intervalos ativos contribuem para a eliminação do ácido latico que sai na urina e no suor.

4- Quais os principais cuidados na questão exercício X alimentação/lactação ? 

Para se obter resultados, independente de pós parto ou não, o sucesso só será garantido com cuidados com relação não só aos exercícios, mas também na correta forma de execução e acompanhamento de um nutricionista que vai orientar a maneira correta de se alimentar no período de lactação. De qualquer forma é importante ressaltar que dietas rígidas de emagrecimento neste período não serão permitidas e lembrar também que a água tem um papel fundamental na produção de leite, recomenda-se tomar de 3 à 5 litros de água por dia, mas o melhor a fazer é ter a orientação dos dois profissionais: professor e nutricionista, para colocar a mamãe no caminho certo.

A obstetra Carla Gimenes indica 60 dias para início da atividade física moderada com segurança! 

Espero poder ter ajudado vocês com as dúvidas mais frequentes, sigam a Cristiane Fantini Personal Trainer no Facebook e tenham ainda mais informações! Além de uma super profissional a Cris está grávida! 😉

Já pode se exercitar? Vale pular carnaval e dançar com os pequenos viu!? Bom carnaval e um tiquinho de juízo!

  
Minha mulher maravilha só na tentativa de equilíbrio! 😀 

Um beijo,

MamãeUp

Fanpage : Cristiane Fantini – Personal Trainer. Licenciatura em Educação Física; Bacharel em Educação Física; Credenciada nos módulos do Core 360 ( treinamento funcional); Avaliadora Física, Circuito Funcional e Musculação; Grupos especiais: idosos e gestantes. Contato: 995354445

Uma semana de flores e espinhos

Essa semana entramos no nono mês de gestação, com 36 semanas completas. 

Barrigão gigante, emocional a mil e confissões a fazer pra vocês! 

  

Foram alguns dias difíceis apesar do sorriso na foto, muito cansaço, pressão baixa e calor insuportável, nada clínico acontecendo, só a sensibilidade da proximidade, incertezas do momento e medos típicos, além claro de hormônios, muitos hormônios.

A disposição foi embora em alguns momentos  eu fiquei mais pensativa, analisando o quanto esses nove meses foram desafiantes para mim! 

Já contei nos posts anteriores que a gravidez não foi linda como eu imaginava que seria, mas graças a Deus tudo está caminhando para um final feliz. Pra mim foi um processo meio dolorido, cheio de descobertas assustadoras e muitos momentos de medo e insegurança! Tiveram momentos lindos claro, mas eu imaginava mais fácil, confesso! 

Muita gente pode pensar/ falar: só uma gravidez! Já tive três ou quatro ou mais! Percebi que realmente cada mulher é única assim como o processo de gestação e tudo que o envolve também, então se estiver julgando ao ler pare e pense nisso! 

Nome do blog é Mamãe Up mas meu compromisso em escrever semanalmente para tentantes, gestantes, mamães e pessoas em geral é com a verdade! Florear num texto é fácil, fica lindo e desinteressante!

Com altos e baixos, com dúvidas surgindo, medos que antes não estavam aqui, mas também com muito suporte por parte do papai Up e da família, alegria de pensar no grande dia, visitas ao quartinho nas noites de insônia, sonhos…

  
Nesse quesito só motivos pra agradecer! 🙏🏻 Julia vai chegar em meio à muito amor como eu sempre quis! 

Vamos tocando em frente minha gente que tem um ano novinho que chegou, tem nascimento e emoção à vista, têm hormônios fervilhando por aqui e tem verdade sempre pra vocês! 

Um beijo 

Mamãe Up 

Mala do bebê e da mamãe para maternidade! 


Essa semana passei pelo momento que todas as grávidas viviam me descrevendo como mágico e eu só imaginando: arrumar as malas para maternidade!

É um processo gente, comprar tudo com muito carinho, imaginar aquela carinha de joelho usando as primeiras peças e o sonho que estava no futuro vem para o presente.

Lavar cada peça com sabão especial que enche a casa com o cheirinho do bebê e separar dia a dia o que seu bebê irá usar nos primeiros momentos, realmente é mágico!

Mas o que a mamãe Up quer com esse post só dividir a emoção? Poderia ser, só que não! Quero ajudar muitas mamães de primeira viagem que assim como eu, estavam meio perdidas no que precisariam levar no dia especial, vamos lá ?

Mala do bebê 

Primeiro dia

Macacão

Body

Mijão

Luva ( porque eles nascem com as unhas grandes e não podemos cortar nos 15 primeiros dias então mesmo no calor precisam delas para se proteger das unhadas! )

Touca

Fraldinha de boca

Fralda descartável RN

Creme para assaduras

Segundo terceiro quarto e quinto dia todo igualzinho acima 

Saída da maternidade 

Aquela roupinha especial escolhida a dedo

Sapatinho

Body

Mijão

Manta ( mesmo no calor, pequenininhos têm frio)

Chupeta (caso queira)

Aí eu fiz no computador papéis identificando qual dia cada roupinha deve ser usada e coloquei em saquinhos de roupas sensíveis para máquina de lavar  sabe? Aqueles com zíper! Assim depois posso utilizar!

 

Mala da mamãe 

Três camisolas / pijamas

Absorvente pós parto

Produtos de higiene/ banho

Chinelo de borracha pro banho

Chinelo Fofinho ( pros pés inchados)

Concha / absorvente para mama

Três sutiãs de amamentação

Cinco calcinhas de cintura alta

Cinta

Vestido ou roupa confortável pra saída

Roupas pro marido/ acompanhante para três dias

Lembrancinhas (caso tenha)

Porta da maternidade (caso queira)

Penhoar / roupão

Documentos

Exames feitos durante a gestação

Carregadores de celular / câmeras
Com esse check list em mãos, faça as malas com calma e de preferência quando entrar no 7 mês porque se seu bebê for apressadinho você se resguarda da correria de ter que fazer tudo às pressas e curte com calma esse momento delicioso! 🙂

Beijos,

Mamãe Up