Os vários papéis da nossa vida

Cá estou as três da manhã acordada desde a uma porque?A  Julia não dorme? Minha filha está lá no bercinho lindamente adormecida e a mamãe com insônia! Sim, minha gente!

Coloque na panela: ansiedade, volta ao trabalho, bebê, mamãe preocupada, 6 meses sem dormir uma noite inteira e misture bem! 

Segunda-feira volto ao trabalho depois de 6 meses curtindo muito minha pequena! Volto com a sensação de “como assim?” mas de verdade? Acho que será bom pra todos os envolvidos! 

Julinha esta adaptada com a vovó, agarra ela quando vê e dá com o bracinho para ir no colo dela. Também vovó é bom demais né? 


Chego lá depois das horinhas para adaptação que fico longe e me deparo com essa tranquilidade! 

Eu achava impossível me separar dela por mais de 30 minutos e ainda estou começando a me acostumar com a ideia, não é fácil, vide como meu organismo está reagindo, no alerta total. São nove meses na barriga e seis sem desgrudar um minuto! 

Na adaptação fizemos pequenos períodos afastadas e parece que aos poucos vamos entendendo que não somos uma! 

Andei pensando, nós temos vários papéis na vida, somos: mulheres, mães, esposas, profissionais e mais um milhão de coisas. Quando nos dedicamos apenas a um papel todos os outros se desequilibram! 

Meu casamento está precisando de uma atençãozinba extra, minha mulher está precisando de cuidados, a profissional precisa acordar para que a mãe fique feliz e satisfeita.

Pensar nisso alivia aquela danada da culpa que sinto de ficar longe do meu bebezinho, a saudades de teima em maltratar mas além disso, faz sentido se você buscar lá no fundo dos seus sentimentos todos os papéis da sua vida! 

Se tenho um papel preferido? Claro que nesse momento é ser mãe, se vai mudar? Acho que não, mas gosto de todos os outros e são importantes para minha completude! 


Vamos que vamos! Pra casa da vovó cedinho, brincar e curtir o tempo com ela enquanto a mamãe vai trabalhar! 

Quem aí já passou, está passando ou passará por isso?

Um beijo,

Mamãe Up

Anúncios

Sem romantismo

Mamãe Up está de visual novo! Não, eu não, o blog! Rs Criatura e criador se confundem eu sei, mas é do blog que estou falando repararam? Gostaram? 
A Camila do Eles Crecem desenvolveu com muito carinho a identidade visual do Mamãe Up, super recomendo o trabalho dela! Clicando ali no link ou no @elescrescem você entra em contato com ela!   

Mas no post de hoje vou desabafar! Sim, é preciso!

Pensei em escrever sobre H1N1 e a dificuldade para vacinação, mas hj eu preciso conversar com vocês sobre como a maternidade é o tempo todo dúbia!

Aliás conversar é algo que não rola muito quando se tem um bebê de dois meses em tempo integral aos seus cuidados! Vários temas começam e terminam no soar de um unhééé. 

Vivenciando essa dualidade nos dois quase três que tenho de mamãe sinto essa imensidão de altos e baixos e queria compartilhar pois imagino que muitas mamães e papais devem sentir o mesmo, afinal nessa viagem que se chama: ter um filho, não estamos sós e podemos/devemos nos ajudar! 

Eu me sinto explodindo! É a palavra que mais se encaixa para mim neste momento! Explodindo de amor, de emoção, de felicidade mas também de peso, de cansaço, de dor! 

Essa dualidade me deixa confusa e completamente desnorteada tanto que essa semana eu levei um tombo! Sim minha gente, fui ao chão, bati a testa e essa foi a prova do que falo: carregar 84quilos com 1,65 de altura não é para mim! 

Meu peso estacionou! Faz um mês que não desce, nem sobe. Mesmo com dieta, mesmo amamentando! 

Aí as mamães radicais, aquelas que adoram apontar o dedo na cara ao invés de tentar entender vão dizer: “não se preocupe com isso agora!”. Não dá! Não é só estético, é físico o incomodo! 

Pra ajudar o quadro eu tive colica renal e amamentando não quis expor a Julia no hospital, resultado: muita dor e sensibilidade leia-se irritação a flor da pele! 

Julia parece que compreendia o que estava acontecendo com a mamãe e dormiu a melhor noite da vida dela, 6 horas seguidas, no meu pico de dor! Eu agradeci a Deus mas preciso falar: NÃO ESTÁ FÁCIL! 

Romantizar a maternidade é o perigo maior que vivemos hoje em dia com as redes sociais! Todo mundo quer sair sorrindo na foto e às vezes a humanidade fica esquecida num filtro do instagran.

Me sinto abençoada de ter minha pequeninha nos braços, passamos a primeira páscoa juntos, em família! Me sinto agradecida por toda ajuda e parceria do meu marido e minha mãe neste momento mas existem questões  que são só minhas! 

Sentir e falar sobre,com sinceridade, sem florear faz da minha maternidade real, humana e por que não dizer mais bonita? 

Quem aí está passando ou sente algo parecido? Me conta vá? 🙂 assim me sinto menos ET Rs 

Um beijo,

Mamãe Up